Brasil, Rio de Janeiro, 26 de maio de 2017 (Versão BETA)
Usuário:
Senha:
A Graduação na UFRJ

Saiba mais sobre:
- Histórico do curso de Engenharia de Petróleo da UFRJ;
- Diretrizes curriculares;
- Objetivos específicos do curso de Engenharia de Petróleo da UFRJ;
- Estrutura curricular;
- Grade curricular.

HISTÓRICO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PETRÓLEO DA UFRJ

A indústria do petróleo se caracteriza por ser uma indústria intensiva em tecnologia, se apoiando fortemente no desenvolvimento científico. A exploração e a produção de petróleo em condições cada vez mais adversas demandam o desenvolvimento de pesquisas avançadas e a formação de recursos humanos qualificados, tanto a nível mundial quanto a nível nacional. O termo Engenharia de Petróleo denota a área da engenharia que se preocupa com desenvolvimento das acumulações de óleo e gás descobertas durante a fase de exploração de um campo petrolífero, com as atividades que vão desde a perfuração de poços até a processamento primário do petróleo.

O termo já está consagrado, é utilizado em diversos países e está em uso há pelo menos 50 anos (A SPE, Society of Petroleum Engineering foi fundada em 1957 e hoje congrega mais de 70.000 profissionais em todo o mundo).

O Curso de Engenharia de Petróleo da UFRJ surge como resultado da consolidação da experiência acumulada da UFRJ no setor Petróleo e Gás. Atuando ativamente na formação de recursos humanos, no desenvolvimento de pesquisas e novas tecnologias e na transferência destas ao setor industrial, a Escola Politécnica, a COPPE e a Escola de Química se uniram em 2001 para propôr a criação deste curso.

DIRETRIZES CURRICULARES

As disciplinas obrigatórias compreendem as matérias de formação básica (matemática, física, química, informática) que são essencialmente as mesmas que a Escola Politécnica já ministra aos demais cursos de Engenharia; matérias de formação geral (metodologia científica, ciências sócias, econômicas e da administração e ciências do ambiente) neste caso com um conjunto ampliado em relação aos cursos atuais; além de disciplinas de formação específica da Engenharia de Petróleo.

As disciplinas de escolha condicionada e as disciplinas de escolha livre permitem ao aluno adequar o curso às suas peculiaridades particulares. No conjunto de disciplinas condicionadas são oferecidas disciplinas que ampliam o curso de engenharia de petróleo no sentido de um curso de engenharia da energia, ou que ampliem as habilidades técnicas e/ou gerenciais dos alunos.

Os requisitos curriculares suplementares tem o objetivo de permitir ao aluno integrar os diversos conhecimentos adquiridos nas diferentes disciplinas aplicando-os na solução de problemas reais (ou bastante próximos da realidade) e procurando resolvê-los em equipe e gerando uma documentação técnica adequada.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS DO CURSO DE ENGENHARIA DE PETRÓLEO DA UFRJ

O curso de Engenharia de Petróleo da UFRJ visa formar um engenheiro com uma sólida formação técnica, científica e profissional geral que o capacite a absorver e desenvolver novas tecnologias, estimulando a sua atuação crítica e criativa na identificação e resolução de problemas, considerando seus aspectos políticos, econômicos, sociais, ambientais e culturais, com visão ética e humanística em atendimento às demandas da sociedade.

O Engenheiro de Petróleo formado estará apto a trabalhar na indústria de petróleo, particularmente naqueles ramos relacionados à exploração e produção, bem como a integrar equipes multidisciplinares responsáveis pelo projeto de desenvolvimento de campos de petróleo em geral e no mar em particular.

ESTRUTURA CURRICULAR

A Engenharia de Petróleo envolve o desenvolvimento das acumulações de óleo e gás descobertas durante a fase de exploração de um campo petrolífero, sendo associada, primordialmente, à área de explotação. O curso de Engenharia de Petróleo da UFRJ encontra-se dividido em seis áreas básicas, abaixo descritas:

A. Engenharia de Reservatórios
Engloba as seguintes atividades: determinação das propriedades petrofísicas das rochas reservatório e das propriedades dos fluidos da formação produtora de óleo e gás; estimativa da reserva; acompanhamento, planejamento e desenvolvimento de campos; interpretação de resultados de testes de pressão; simulação e previsão de comportamento de reservatórios de óleo e gás; métodos de recuperação.

B. Engenharia de Poço

B.1. Perfuração
Contempla as atividades relacionadas ao projeto e perfuração, propriamente dita, do poço que faz a comunicação do reservatório com a superfície. O projeto do poço determina as várias fases de perfuração, envolvendo a seleção da técnica apropriada (para a perfuração, cimentação e revestimento do poço), do tipo de sonda, da unidade de perfuração, dos vários equipamentos (brocas, colunas de perfuração e revestimento, ferramentas de monitoração e controle de trajetória do poço, ferramentas de perfilagem, etc.) e dos fluidos de perfuração. No projeto e execução do poço são considerados os fatores econômicos e, principalmente, os aspectos de segurança inerentes à operação.

B.2. Completação
Trata da preparação do poço para produção, envolvendo técnicas de isolamento das zonas produtoras e testes de vazão e pressão do poço. Dependendo-se do potencial produtor do reservatório, vinculado às propriedades petrofísicas da rocha e das propriedades dos fluidos do reservatório, há necessidade da utilização de técnicas de estimulação química (acidificação), mecânica (fraturamento hidráulico) ou químico-mecânica, para se aumentar a produtividade do poço.

C. Processo de Produção
Envolve o projeto, monitoração e garantia do fluxo de óleo/gás, do reservatório até a superfície, na planta de superfície, e o envio para os sistemas externos de transporte, ou armazenagem. Na linha de produção, são estudadas as propriedades de fluidos e comportamento de fases, fluxo de óleo e/ou gás no reservatório, escoamento multifásico no poço e nos dutos de produção, instalações de produção terrestres e marítimas, separação de óleo, gás e água, métodos de elevação artificial (bombeio de petróleo no caso de poços sem surgência natural), automação e controle de processos, sistemática de projeto de desenvolvimento de campo e gestão de produção.

D. Economia do Petróleo
Visa entender e diagnosticar a dinâmica de evolução das indústrias de petróleo e gás no Brasil e no Mundo, nas dimensões econômica, tecnológica e institucional. Compreende também o estudo dos instrumentos analíticos necessários para formular políticas e estratégias de ação para as empresas e outras instituições ligadas a estas indústrias. Algumas das competências relacionadas a Economia do Petróleo incluem: administração financeira, administração da produção, gerenciamento de projetos, controle de qualidade, análise de risco, otimização de sistemas.

Considerando o forte direcionamento das atividades da indústria petrolífera no Brasil para a produção no mar, bem como a importância das questões referentes ao Trabalho do Homem na indústria e suas fortes interações com o meio ambiente curso de Engenharia de Petróleo da UFRJ adiciona às quatro áreas tradicionais da engenharia de petróleo, apresentadas acima, duas novas áreas, a de tecnologia para explotação de petróleo no mar e a de Saúde, Segurança no Trabalho e Meio Ambiente.

E. Tecnologia para Explotação de Petróleo no Mar
Trata do desenvolvimento de métodos e ferramentas para a definição, caracterização, dimensionamento e avaliação de sistemas flutuantes (navios, plataformas, estruturas oceânicas flutuantes, embarcações especiais etc) ou submarinos, utilizados para a exploração e produção de petróleo no mar.

F. Saúde, Segurança no Trabalho e Meio Ambiente
A compatibilização entre a garantia da produção de petróleo e gás e as necessidades de um desenvolvimento sustentável conduz à necessidade de considerar como atores importantes o Homem e o Meio Ambiente. Esta área trata das questões relacionadas ao estudo de fatores humanos e a analise ergonômica do trabalho bem como da gestão ambiental da produção de petróleo e gás.

Além das áreas acima descritas a engenharia do petróleo envolve uma ampla gama de conhecimentos, sendo que podemos destacar fortes interações com as áreas de Geologia/Geofísica; Química e Engenharia Química, além de Automação e Controle.

GRADE CURRICULAR
Para acessar a grade curricular do curso de Engenharia de Petróleo da UFRJ, temporariamente, utilize o link: https://www.siga.ufrj.br/sira/repositorio-curriculo/distribuicoes/24C6A6A4-92A4-F79C-4038-E6D8B161E716.html. Nele é possível ter acesso às ementas das disciplinas, bem como pré-requisitos e condições para obtenção do diploma.
Curso de Engenharia de Petróleo
Prédio do Centro de Tecnologia - Bloco A - 2º andar
Cidade Universitária - Rio de Janeiro - RJ - Brasil
Caixa Postal: 68529 - CEP: 21945-970
Telefone: (21) 2562-7296
© Copyright 2011 Engenharia de Petróleo UFRJ
Versão BETA desenvolvida por Raphael Melo